quarta-feira, 4 de abril de 2012

Ser do Benfica é ver D. Sebastião no Emerson

Clube que compra um perna de pau como Emerson não merece muita sorte. Clube que coloca o perna de pau a jogar algumas vezes merece algum azar. E clube que insiste em jogar com o dito está a desafiar os deuses da bola. Ando a dizer isto desde o início da época, e já estou um bocadinho farto de ter razão.

Portanto, até para o ano, que é como quem diz, até Agosto. Não vejo mais este Benfica. Os nervos não aguentam. Quando aquele deserto de 11 anos terminou, prometi a mim mesmo uma coisa: não me importo de perder, mas não posso ver um Benfas com Tahars e Pringles. Não dá. Aguento as derrotas, mas não aguento ver a equipa com jogadores que nem no Leiria seriam titulares. Não dá. Fere a vista.

O ano passado era o Peixoto a lixar um flanco inteiro. Agora é este indivíduo que destrói a ala canhota, com o beneplácito do treinador. Jesus não consegue admitir que errou. Jesus acha que é o Rei Midas da bola, logo, acha que transformará Emerson num Roberto Carlos.

E nos entretantos? E enquanto Emerson, ora essa, não se transforma num Coentrão? A equipa lá vai sofrendo golos. Golo em Guimarães? Flanco esquerdo. Golos do Porto na Luz? Flanco esquerdo. Golo do Braga? Flanco esquerdo, com penálti deste senhor. Golo do Chelsea? Flanco esquerdo.

Mas o pior nem sequer são os golos sofridos. O pior é que a equipa fica coxa na hora de atacar. Bola no Emerson é bola perdida. Sempre. E já chega disto. Já não consigo ver este harakiri canhoto.

Mas, como é óbvio, isto é conversa de cobarde (estou a citar a minha mulher). Eu ando a dizer isto há dois meses, ai, não volto a ver o Benfica, mas na hora h vejo sempre. O Benfica é o Benfica mesmo com 11 Emerson. Porque, no-fundo-no-fundo, eu aguardo pela redenção do Emerson. Em segredo, eu quero ver o Emerson a dar um pontapé de bicicleta, assim em câmara lenta, qual Pelé no filme do Huston.

No-fundo-no-fundo, eu acredito que vamos ser campeões com um golo do Emerson no último minuto do campeonato. Sou um louco sebastianista? Não me parece. Em 2005, um angolano com apenas um joelho deu-nos o título. Depois disso, acreditar que o título pode nascer de um brasileiro com dois joelhos parece-me um raciocínio que respeita todas as regras da lógica.

Fonte

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...