segunda-feira, 30 de abril de 2012

Análise totalmente imparcial da época 2011/2012 (Video no final)

Terminou o campeonato nacional (em termos de decisão do título) e a conclusão é mais ou menos o mesmo de sempre: a corrupção fala mais alto do que a verdade desportiva.

CRAC (FC Porto):

Depois de uma época cheia de sucessos internos e externos, O FC Porto era o grande favorito para a discussão do título. Com o melhor plantel do campeonato e com uma liderança forte, não se esperava nada de menos.

No entanto, desde cedo se notou que o Vitor Pereira não era um homem que reunia condições para colocar a equipa a jogar o mesmo futebol da época transacta. A saída do melhor avançado do plantel não ajudou. A linha de jogo era frágil, o entrosamento inexistente, e a velocidade nula. Os adeptos começaram a pedir a cabeça do treinador mas Pinto da Costa tinha outros planos.

Quando se observou que a revalidação do título seria practicamente impossível sem a adição de "outras variáveis", os árbitros portugueses fizeram todos os possíveis para manter a equipa no topo da classificação. E conseguiram.

Quer seja com penaltis estratégicos, ou cartões vermelhos perdoados, mesmo jogando pior que o Braga e que o Benfica, o FC Porto foi-se mantendo na corrida de forma visivelmente artificial.

Quando parecia que o Benfica iria disparar para o título (era a equipa que melhor futebol practiva na altura), duas arbitragens habilidosas nos jogos do Benfica (Académica e na Luz contra o FCP) colocaram o FCP na frente do campeonato e com uma vantagem relativamente confortável. A magia estava feita.

Até ao final do campeonato maus alguns penaltis inventados e mais algumas arbitragens habilidosas (especialmente no jogo do Benfica em Alvalade) geram o fosso e o previsível aconteceu.

Benfica:

Embora tivesse piores jogadores que o FCP, o Benfica conseguiu durante parte considerável do campeonato ter a melhor equipa e o melhor futebol da época. A quebra começou com a derrota em Zenit e com lesão do Rodrigo causada por um antigo jogador do FCP (Bruno Alves).

Depois dessa derrota, sucederam-se mais derrotas e mais arbitragens claramente encomendadas, especialmente o golo em fora de jogo marcado no Estádio da Luz, numa altura em que o Benfica já jogava com menos um por expulsão do Emerson.

O Benfica perde o campeonato mais por influências extra-futebol do que por culpa própria. Jogou melhor futebol, marcou mais golos e foi, a par do Braga, a melhor equipa do campeonato. No entanto, no futebol português não basta ser o melhor dentro do campo.

Nas competições europeias o Benfica esteve razoavelmente bem, chegando aos quartos de final da Champions (sendo eliminado pelo Chelsea). Apesar da eliminação, ficou a sensação que o Chelsea estava claramente ao alcance do Benfica.

Os erros que eu aponto a esta equipa são a falta de médios flanqueadores, a falta dum genuíno defesa esquerdo, e a inconstância física do Aimar. O Cardozo esteve melhor que no ano passado, mas não se entende a renovação com o Saviola.

Contrariamente ao que se está a gerar - mais de fora do que de dentro - a saída do Jorge Jesus seria má para o Benfica visto que ele tem feito um bom trabalho. Num campeonato normal, o Benfica estaria por esta altura a festejar o tri-campeonato.

Claro que ele tem as suas "paragens cerebrais", mas (ressalvando-se as proporções) até o grande Alex Fergunson as tem sem deixar de ser um bom técnico.

Os benfiquistas continuam no erro de pensar que a perda dum campeonato é sempre por culpa própria, mas embora tenham razão em alguns casos, neste ano não a têm. Este campeonato foi entregue ao FCP de forma corrupta e imoral (tal como o foi o título que o Benfica ganhou em 2005).

A falta de investimento em jogadores portugueses é outro aspecto a rever nesta equipa. Há uma enorme presença de estrangeiros e, sinceramente, há posições que poderiam ser entregues a portugueses. Se não me falha a memória. Nelson Oliveira foi o único português marcar pelo Benfica na champions. Quando as coisas chegam a este ponto, algo está mal.

Lagartos:

Mais do mesmo: muita esperança no início do campeonato - este ano, justificada - mas mais auto-destruição a meio do mesmo.

Aparentemente a lagartagem foi prejudicada no início do campeonato através de arbitragens habilidosas. Essas arbitragens colocaram imediatamente o Sporting a correr atrás do prejuízo e - desde logo - com maior desgaste emocional que os outros concorrentes.

Até a lesao do Rinaudo o Sporting afigurava-se como genuíno candidato, mas após a sua lesão, nunca mais voltou a ser o mesmo - culminando com o despedimento daquele que previsivelmente será o próximo técnico do FCP.

A chegada do Sá "Rocky" Pinto ao comando da equipa deu-lhe nova alma, e provavelmente será o suficiente para lutar para uma entrada na Champions (para o ano vão duas equipas directamente, e mais uma vai à play-off) mas já não foi a tempo de se intrometer na luta directa pelo título.

Braga:

A espaços, foi a melhor equipa do campeonato. A sua espantosa série de 2/13 vitórias consecutivas no campeonato só foi parada com um golo de Bruno César já na parte final do jogo Benfica-Braga. Foi uma agradável surpresa daquele que é mais um bom técnico nacional

Sem surpresa alguma, o Braga não foi capaz de ganhar ao FCP em casa. Se ganhasse, isso sim, seria extraordinário.

Conclusão:

Há já algum tempo que não via tanto roubo concentrado num só campeonato, mas isso provavelmente deve-se ao facto do FCP ter conseguido garantir títulos practicamente a meio do campeonato. Este ano, onde o Benfica esteve mais forte que no ano passado, o presidente da "fruta" aparentemente teve que se esmerar de modo a que o seu clube pudesse voltar a ser campeão.

É este o campeonato que temos. Vamos ver até quando o sistema dura. Uma coisa é certa: no final dos tempos, justiça será feita.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...